Grande Curitiba

Serial killer pede para não ser levado à casa de custódia por medo de ser morto

“Se me mandarem para a CCC, estão me mandando para a execução”, afirma José Tiago Soroka ao deixar DHPP
2 de junho de 2021 às 15:35
(Foto: Reprodução/RIC Record TV Curitiba)

José Tiago Correia Soroka, tido pela polícia como serial killer de homossexuais, foi transferido ao Minipresídio de Campo Largo, na manhã desta quarta-feira (2).

Após prestar depoimentos e conversar com a equipe da RIC Record TV Curitiba, na Delegacia da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Soroka afirmou repetidas vezes que se fosse para a Casa de Custódia de Curitiba (CCC), seria executado. O serial killer estava detido na DHPP desde o último sábado (29).

“A defesa acredita na capacidade do estado em fazer a proteção dele, por ser um crime de repercussão, crime que, segundo a mídia, tem relação a um preconceito homofóbico. É a razão pela qual ele precisa ter essa proteção”

O assassino saiu lendo um livro que ganhou do delegado, autor da obra.

Neste momento, Soroka está sob responsabilidade do departamento penitenciário, como deve permanecer até que seja chamado para prestar outros depoimentos, caso necessário.

Fonte: Ricmais