Grande Curitiba

Museu da UEPG abriga exposição que retrata obra e processo criativo de Paulo Leminski

Mostra está no Museu Campos Gerais (MCG), vinculado à Universidade Estadual de Ponta Grossa. Já passou por outras dez cidades do Brasil e permite um mergulho no caráter diverso, irreverente e contemporâneo na obra do poeta curitibano
25 de agosto de 2021 às 14:41
Desde o início deste mês, o público pode conferir a exposição Múltiplo Leminski, no Museu Campos Gerais (MCG), vinculado à Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). A mostra multimídia, que já passou por outras dez cidades do Brasil, permite um mergulho no caráter diverso, irreverente, popular, erudito e contemporâneo na obra do poeta curitibano Paulo Leminski (1944-1989).

O escritor também foi professor, compositor, jornalista, publicitário, tradutor e crítico literário. Sua obra reúne romance, poesia, ensaio, biografias e traduções, expressando ainda hoje conexão com diferentes pessoas, de idade e perfil variados. Uma das seções da exposição é voltada à publicações infantojuvenis.

“A obra de Paulo Leminski é atemporal e continua dialogando com os diversos públicos. A cada montagem vamos redescobrindo a produção desse artista que estava à frente de seu tempo, que foi precursor de um estilo de linguagem objetiva e concisa. A exposição revela todas essas características presentes na obra desse artista múltiplo”, afirma a filha Aurea Leminski, que assina a curadoria ao lado da irmã, Estrela Leminski, e da mãe, Alice Ruiz, responsáveis também pela concepção da mostra.

As peças da mostra valorizam a dimensão gráfica e visual da criação de Leminski, propiciando o contato com artefatos do processo criativo do artista, que é um dos nomes paranaenses mais reconhecidos no Brasil. Os visitantes podem observar anotações em papéis avulsos, rabiscos em cadernos, além da máquina de escrever e da biblioteca particular do poeta. Fotos registram momentos da biografia, do círculo de amigos, dos circuitos culturais e das parcerias artísticas de Leminski.

Para o diretor do MCG, Niltonci Chaves, a mostra itinerante consolida o museu da UEPG em sintonia com o circuito nacional de exposições. “Essa é uma de nossas intenções e também da reitoria, desde a reabertura do espaço em 2019. Essa cooperação contribui para a divulgação de um nome consagrado da cultura paranaense e da própria história intelectual no País”, salienta.

VISITAS – As visitas presenciais são agendadas e controladas, seguindo os protocolos de prevenção ao contágio do novo coronavírus. O uso de máscara e o distanciamento são obrigatórios nas dependências do museu. Os ingressos (gratuitos) são individuais e intransferíveis, direcionadas ao público com 16 anos de idade ou mais.

O público pode escolher a melhor opção de horário entre terça-feira e sábado. De terça e quinta-feira, o MCG oferece duas opções diárias de horário: 9h30 e 14 horas. Às sextas-feiras, apenas o horário da tarde está disponível. Já no sábado, o museu amplia o agendamento para três horários: 9h30, 13h30 e 15h30. Cada visita pode durar até uma hora e meia.

O público ainda podem optar pelo acompanhamento da equipe de monitoria da Ação Educativa do MCG. Essa modalidade de visita está disponível nas terças e quintas-feiras, no período da tarde, e nas quartas-feiras, pela manhã. O número de vagas é restrito e segue uma ordem de agendamento.

A exposição segue no MCG até 5 de dezembro. Os agendamentos podem ser feitos AQUI.

APOIO – Desde 2012, essa mostra tem sido realizada de forma itinerante pelas principais capitais do país. Agora, na 11ª montagem, a exposição retorna ao Paraná, abrindo a temporada 2021 na região dos Campos Gerais. Com incentivo do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (Profice), o projeto tem apoio da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná, da Companhia Paranaense de Energia (Copel), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), da Associação de Museus dos Campos Gerais, e da Secretaria Municipal de Turismo de Ponta Grossa.

Fonte: AEN/PR