Grande Curitiba

FAS amplia serviços, abre novas unidades e contrata profissionais para atendimento social

3 de janeiro de 2022 às 15:44
(Foto: Ricardo Marajó/SMCS)

COM ASSESSORIAS – Em 2021, a Fundação de Ação Social (FAS) ampliou serviços, abriu novas unidades, ofereceu e lançou cursos profissionalizantes e contratou profissionais em regime temporário para atender pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade e risco social e minimizar os impactos provocados pela pandemia da covid-19.

As medidas se somaram aos esforços adotados desde março de 2020, quando os primeiros casos do novo coronavírus foram registrados no município e a FAS precisou rever a forma de atuação para garantir acesso a direitos, principalmente para aqueles mais atingidos pela crise.

O alimento na mesa para as famílias em situação de vulnerabilidade social foi garantido com a distribuição, até outubro, de 9.185 cestas básicas e 11.738 créditos alimentares, no valor de R$ 70, para famílias atendidas nos 39 Centros de Referência de Assistência Social (Cras).

Do início da pandemia em 2020 até outubro de 2021, a FAS concedeu aproximadamente 47.630 cestas básicas, fruto da doação de empresas e da sociedade, além de 32.600 créditos alimentares que foram usados exclusivamente nos Armazéns da Família.

“São esforços que permitem a garantia da alimentação digna e a autonomia da família na escolha dos alimentos que mais precisa”, explica o presidente da FAS, Fabiano Vilaruel.

Os Cras foram também responsáveis pela seleção e orientação das mais de 34 mil famílias beneficiadas pelo auxílio alimentar emergencial lançado pelo prefeito Rafael Greca, em abril de 2021.

Denise Cristina Silvestre Maia, 32 anos, mora no Jardim Dom Bosco e é uma das pessoas atendidas pela FAS com alimentos desde que chegou a Curitiba, há oito anos. Com três filhos, de 12, 7 e 5 anos, ela recorre ao Cras mensalmente para receber cesta básica ou crédito alimentar.

O reforço na alimentação vem com mais duas cestas básicas que recebe da Secretaria Municipal da Educação (SME), direito de quem tem filhos matriculados no ensino remoto na rede municipal.

“O trabalho do Cras é essencial. Eles cuidam da gente, ligam para perguntar se precisamos de alimento”, disse Denise, que trabalha como faxineira, uma vez por semana, em uma empresa da região.

População de rua

Em função da vulnerabilidade e riscos enfrentados todos os dias, as pessoas em situação de rua também estiveram entre os públicos prioritários da FAS em 2021.

Para melhor atender essa população, a FAS abriu no ano duas novas unidades, uma para acolhimento para pessoas com suspeita de covid-19 e a outra para atender aquelas abordadas nas ruas durante o inverno. O abrigo covid contou com 30 vagas, para homens e mulheres, de 18 a 59 anos.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, a FAS abriu cinco unidades emergenciais para pessoas com suspeita, com casos confirmados e para o grupo de risco, o que totalizou 205 novas vagas emergenciais. Com a redução dos casos da doença, somente uma permanece em funcionamento, a Unidade de Acolhimento Santo Expedito.

Uma ampla campanha de vacinação contra a covid-19, feita em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde, também garantiu em 2021 a imunização de 1.808 pessoas em situação de rua.

Acolhimentos

De janeiro a outubro, a FAS acolheu 2.108 pessoas em situação de rua e, segundo o sistema regulador de vagas, cada uma delas acessou os abrigos do município mais de três vezes. O número não considera os acolhidos em casas de passagem, que podem atender pessoas sem documentação. Nestas unidades, o cálculo é feito por atendimentos, que somaram 86.910, nos primeiros dez meses do ano.

Durante o período de inverno, como acontece todos os anos, a FAS realizou a ação Curitiba que Acolhe, intensificando o serviço de abordagem social e ampliando o número de vagas de acolhimento, que chegou a 2.050, e ainda com capacidade de expansão. Foram 157.127 abordagens sociais em 2021, aumento de 70% em relação a 2020 (90.444).

Os animais de estimação de pessoas em situação de rua também receberam atenção, com a ampliação do número de vagas em canis nas casas de passagem. Foram 1.132 abrigamentos de animais nos canis das unidades, ao mesmo tempo em que os seus tutores foram acolhidos (dados de janeiro a outubro).

Eduardo Santos Bergamo, 54 anos, foi um dos acolhidos pela FAS. Dudu, como é chamado, foi encaminhado para abrigo e para atendimento de saúde por causa de uma neuropatia que dificulta a mobilidade. Com boa alimentação, local para dormir e descansar, em poucas semanas ele voltou a caminhar.

Ao lado de Dudu esteva a inseparável cachorrinha Julie, um filhote de menos de um ano de idade. “Se ela não pudesse vir comigo, eu não aceitaria o atendimento”, contou.

Para ampliar o serviço de abordagem social, a FAS contratou em regime temporário 45 novos educadores sociais que trabalham na Regional Matriz, que concentra quase 60% da população de rua de Curitiba.

Doe Solidariedade

Doe Solidariedade é o nome da campanha lançada pela Prefeitura, em abril, para arrecadar cestas básicas para as famílias em situação de vulnerabilidade social e também roupas masculinas para pessoas em situação de rua.

Além de mais de 100 pontos fixos de coleta, a campanha promoveu drive-thrus em várias regionais, para que as pessoas pudessem fazer doações sem precisar sair de seus carros. De abril de 2021 a 22 de novembro, a campanha arrecadou 229.575 kg de alimentos e 142.995 peças de roupas.

Proteção das crianças e adolescentes

Mesmo com as atividades presenciais dos serviços de convivência e fortalecimento de vínculos suspensas, os Cras e as Organizações da Sociedade Civil (OSCs) mantiveram o atendimento a 1.661 crianças e adolescentes.

Em 2021, as crianças e adolescentes contaram ainda com uma nova e importante ferramenta para proteção de seus direitos. É o App Curitiba 156, que passou a oferecer a opção de denúncias de trabalho infantil, abandono, abuso e exploração sexual, aliciamento por adultos para venda de drogas, cárcere privado, desabrigo, mendicância, maus-tratos físicos e psicológicos, discriminação e uso de drogas pela criança e adolescente ou pelos pais.

A ferramenta reforçou o trabalho desenvolvido pelo programa Anjos da Guarda, criado em setembro de 2020 e que conta com uma equipe exclusiva para percorrer as ruas e praças centrais da cidade e identificar situações de violação de direitos.

Com os Anjos da Guarda, Curitiba quase quadriplicou o número de abordagens sociais a crianças e adolescentes. De janeiro a dezembro de 2020, os atendimentos a esse público somaram 1.168, número que saltou para 4.419, entre janeiro e novembro de 2021 (os números se referem às abordagens sociais e não à quantidade de pessoas. Isto significa que uma pessoa pode ter sido abordada mais de uma vez).

“A implantação do Anjos da Guarda foi uma resposta ao aumento de casos de violação de direitos de nossas crianças e adolescentes que pertencem, principalmente, a famílias que mais sofreram os impactos da pandemia da covid-19”, explica Vilaruel.

Proteção das pessoas idosas

Em 2021, o município trabalhou para fortalecer a Rede de Atenção e Proteção às Pessoas em Situação de Risco para a Violência, que desenvolve ações integradas e intersetoriais para prevenir as situações de violação de direitos, atender e proteger a pessoa idosa.

Durante todo o ano, a Prefeitura de Curitiba acolheu 68 pessoas idosas que sofreram violências ou estavam em situação de risco social. Atualmente, chegou a 307 o número de idosos que estão hoje sob a responsabilidade do município, em instituições de longa permanência oficiais, parceiras e contratadas. Todos os acolhidos, público priorizado pelo município, foram vacinados contra covid-19.

Para esse atendimento, o município ampliou com mais dez vagas em Centro-Dia, que oferta atendimento especializado a idosos que tenham algum grau de dependência de cuidados, para evitar o isolamento social, o abandono e a necessidade de acolhimento.

Tão importante quanto o atendimento ao idoso que sofreu alguma violação de direitos é o trabalho preventivo da assistência social. Embora as atividades coletivas presenciais desenvolvidas pelos Cras estejam suspensas, para evitar os riscos de contaminação, a FAS mantém o acompanhamento das pessoas idosas e os serviços para identificar situações de vulnerabilidades e riscos sociais.

Atualmente, 2.468 idosos participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. O acompanhamento é realizado por contatos telefônicos e atendimentos individualizados e remotos.

As equipes da FAS mantêm ainda o monitoramento das famílias que possuem idosos ou pessoas com deficiência acompanhadas pelo Serviço de Proteção Social Básica em Domicílio.

Em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (CMDPI) e a FAS, a Prefeitura lançou a campanha Minha Idade Não Me Limita, para a valorização do idoso, além de combater o idadismo – forma de preconceito sofrida por pessoas por conta da idade, sobretudo, principalmente as pessoas mais velhas.

Terceiro Setor

Em 2021 foi um ano de muitos desafios para o poder público, empresas e também para o Terceiro Setor. Para fortalecer esse segmento e garantir a promoção das políticas da assistência social, trabalho e emprego, além da defesa e garantia de direitos de crianças, adolescentes, pessoas com deficiência e idosas, a FAS realizou 569 repasses de recursos para termos de fomento e colaboração formalizados com Organizações da Sociedade Civil (OSCs).

Ao todo, foram formalizadas 348 parcerias, lançados 12 editais de chamamento público e feitas 480 inscrições de organizações junto aos conselhos municipais ligados à Fundação. Os recursos públicos movimentados e usados somaram mais de R$ 65,4 milhões que impactaram na vida de 99.757 pessoas.

FAS garante qualificação profissional gratuita

Em 2021, o Programa Liceu de Ofícios ofertou cursos de inclusão digital para pessoas idosas, de cuidador de idosos, imagem pessoal, empreendedorismo, auxiliar administrativo, recepção em saúde, além de qualificação na área da gastronomia. Foram cerca de 3.500 vagas.

A qualificação profissional de adolescentes e jovens se tornou uma marca desta gestão, que desenvolve programas como o Mobiliza, Aprendiz, Formação para o Primeiro Emprego (PPE) e o 1º Empregotech.

O Aprendiz, que promove a aprendizagem profissionalizante, ofertou em 2021 175 vagas para a formação inicial e garantiu a contratação de 180 novos adolescentes para trabalhar na Prefeitura de Curitiba. Desde o início da gestão, foram 240 jovens admitidos e encaminhados para órgãos da administração municipal, que ganhou ainda o Portal Aprendiz, que faz a gestão de vagas para esse público. Por meio desta nova ferramenta, outros 350 aprendizes foram admitidos em vagas ofertadas por empresas.

Aos 17 anos, Lucas Moreira da Silva Oliveira mora no Tatuquara e é aluno do PPE, programa que busca elevar a empregabilidade de adolescentes com a oferta de percurso formativo. Ele conta que com o PPE aprendeu muitas coisas, principalmente a falar em público.

“Agora é estudar bastante para passar em um concurso público”, explica o jovem que sonha fazer carreira militar.

Desde que foi lançado, no fim de 2018, o PPE ofereceu 2.500 vagas e formou 954 adolescentes, de 14 a 17 anos, que tiveram reforço de Português e Matemática, informática básica, desenvolvimento comportamental e de projetos, além da descoberta de ferramentas de gestão.

Por sua metodologia, o PPE recebeu em 2021 o Selo SESI ODS por seu alinhamento à Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) e também fez parte da compôs programação do Dia Internacional da Cidades Educadoras.

De olho nos empregos do futuro, o 1º Empregotech ofertou 300 vagas para adolescentes e jovens que puderam fazer aulas de programação básica de computadores. Desde seu lançamento, em 2020, o programa formou 242 pessoas que foram capacitadas para suprir a necessidade de profissionais para o setor da Tecnologia da Informação e Comunicação em Curitiba.

Para a realização desses programas, a FAS conta com parceiros como a Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE/PR), Electrolux, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Boi and Beer e a Aliança Empreendedora. E, ainda, a Associação de Educação Familiar e Social (AEFS), ABC Vida, GERAR, Instituto Tibagi, Via Serviços Integrados Ltda, Ecosystem Serviços Urbanos Ltda e AEQ Aliança Eletroquímica.

São programas e ações importantes que dão sustentação à retomada da atividade econômica tanto para trabalhadores quanto para empreendedores e fazem Curitiba bater recordes na geração de emprego.

Ainda voltada para a tecnologia, a FAS abriu as portas do Fab Lab Cidadania Cajuru para estudantes, empresas e para a comunidade em geral e orientou a realização de 75 projetos de inovação. O espaço, que funciona como um laboratório de fabricação digital e prototipagem, recebeu duas premiações, o Prêmio de Inovação em Políticas Públicas e Juventude, do Governo Federal, e o Selo Sesi ODS 2020.

Para inserir pessoas no mercado de trabalho, o município promoveu as semanas municipais da empregabilidade da pessoa com deficiência e para o público LGBT. As ações sensibilizaram empresas, ofertaram vagas, orientaram candidatos e buscaram inserir esses grupos em vagas de emprego.

Quem precisou requerer o seguro-desemprego ou estava em busca de uma vaga de trabalho também encontrou apoio na FAS, que criou desde o início da pandemia um e-mail exclusivo para tirar dúvidas da população. Apenas no período de suspensão dos serviços presenciais nas unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) foram mais de 100 mil e-mails respondido.

De janeiro a novembro de 2021, as dez unidades municipais do Sine nas administrações regionais e mais uma exclusiva para pessoas com deficiência realizaram 62.297 atendimentos de intermediações de mão de obra e 9.846 habilitações de seguro-desemprego. Foram ofertadas 7.563 vagas de emprego, um aumento de 32% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram ofertadas 5.712 vagas.