Grande Curitiba

Sugerida mudança na campanha de vacinação da covid-19

CMC acatou mais quatro indicações, para áreas como o meio ambiente e a cultura
1 de junho de 2022 às 11:32
(Foto: Carlos Costa/CMC)

A vacina contra a covid-19 retornou à pauta de debates da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), na sessão desta terça-feira (31). Os vereadores aprovaram indicação ao Executivo com a proposta de alterar a nomenclatura e a forma de divulgação da campanha de imunização contra o novo coronavírus. O autor da proposta, Alexandre Leprevost (Solidariedade), justificou que o objetivo é deixar a mensagem mais clara e efetiva (205.00176.2022).

Na avaliação do vereador, a mudança sugerida ao Executivo “pode colaborar muito com o andar da carruagem da vacinação”, para que a população atenda ao chamado das doses de reforço e complete o esquema vacinal. Segundo ele, a ideia já foi apresentada à Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

“Sugere-se alterar esse atual formato, de primeira, segunda, terceira e quarta dose, para primeira e segunda doses anuais. Foi falado para mim, na Secretaria da Saúde, que a vacina é eficaz, cada dose, por seis meses”, completou o parlamentar. Leprevost ainda citou como exemplo positivo, em que a mensagem não geraria dúvidas sobre a importância do ciclo de imunização, a campanha anual da vacinação contra a gripe.

Ecobarreiras e segurança

O plenário aprovou duas propostas de iniciativa do vereador João da 5 Irmãos (União). Uma das indicações sugere à Prefeitura de Curitiba a implantação de ecobarreiras em pontos críticos dos rios da capital (205.00173.2022). Feitas com galões, cordas e redes, amarradas de ponta a ponta, elas consistem em uma alternativa ambiental simples e de baixo custo. O objetivo é “segurar” parte dos resíduos descartados nos rios ou arrastados pelas correntezas.

“O meio ambiente é uma pauta muito cara para meu mandato”, disse o autor. Elogiando a prefeitura pela implantação do projeto Amigos dos Rios, ele disse acreditar que as ecobarreiras vão contribuir, ainda mais, para a área. O vereador também afirmou ter discutido a sugestão junto à secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Dias.

A outra proposta de João da 5 Irmãos requer a implantação da Muralha Digital para garantir a segurança dos participantes do projeto Piá do Beisebol, atividade de contraturno realizada na Escola Municipal Maria de Lourdes Lamas Pegoraro, no bairro Cajuru (205.000174.2022).

“Por exemplo, lá no Cajuru esse é um ponto crítico, por se tratar de um local mais afastado”, alertou. O equipamento público, afirmou o vereador, tem sido alvo constante de arrombamentos e outros problemas relacionados à segurança pública.

Mecenato Subsidiado

De Carol Dartora (PT), o plenário apoiou indicação ao Executivo com a finalidade de apoiar demanda do segmento cultural da cidade de Curitiba. O pedido é para que o Executivo reajuste, conforme os índices inflacionários, os recursos destinados ao Mecenato Subsidiado (205.00175.2022). Citando as dificuldades enfrentadas pelos profissionais da categoria em decorrência da pandemia da covid-19, a vereadora explicou que a correção é prevista pela lei complementar municipal 57/2005, artigo 34.

“Conforme essa norma, sempre que compatível com a receita tributária municipal, é possível realizar o reajuste anual dos recursos destinados ao Mecenato Subsidiado, com base no índice geral de preços”, declarou Dartora. Segundo a parlamentar, entidades representativas do segmento cultural já entregaram carta aberta ao Executivo. “Essa correção é urgente, é necessária”, reforçou.

Por fim, segue para a análise do Executivo indicação sugerida pelo vereador Jornalista Márcio Barros (PSD), também acatada nesta manhã (205.00177.2022). A ideia é reabrir a oferta de vagas em cursos na área de informática, em especial para a população em situação de desemprego, por meio do programa Liceus de Ofícios.

Votadas em turno único e de maneira simbólica (sem o registro no painel eletrônico), as indicações representam um instrumento legal, referendadas pelo plenário, mas não são impositivas. Ou seja, cabe ao Executivo analisar e decidir se acata, ou não, as sugestões encaminhadas pela Casa.

Fonte: Câmara Municipal de Curitiba