Grande Curitiba

Líder comunitária, Leonir dos Santos testemunha seis décadas de transformações

1 de agosto de 2022 às 15:36
(Foto: Lucilia Guimarães/SMCS)

COM ASSESSORIAS – De frente para a Praça Central da Vila Nossa Senhora da Luz, na Regional CIC, mora a líder comunitária que guarda a história do bairro na memória e em álbuns de fotografia. É Leonir Lucinda dos Santos, uma curitibana que nasceu e estudou em escolas do Centro de Curitiba, há 88 anos, mas tem passado os últimos 57 na Vila.

“Só saio daqui para a cidade do pé junto”, brinca Leonir, garantindo que apenas a morte pode separá-la da sua Vila. Ela se mudou para lá com o marido e os quatro filhos na época em que começava a se estruturar o primeiro conjunto habitacional do Brasil, em meados da década de 60.

Leonir aprendeu a amar e a ver progredir o lugar onde hoje, viúva e na quarta geração, mora na companhia do gato branco e laranja Polaco. Dos quatro filhos, 13 netos, uma quantidade de bisnetos que precisa parar para contar e 11 tataranetos, tem por perto, no mesmo bairro, irmã, filha, neta e um neto.

Seis décadas de janela

“Por aqui era tudo barro e, onde se vê a cancha”, aponta, “era uma rua que atravessava a praça até chegar à próxima paralela desta onde moro.”

Assim como viu a praça crescer e ganhar quadras esportivas, nas últimas quase seis décadas testemunhou a construção da paróquia Nossa Senhora da Luz, a consolidação do núcleo residencial popular, a abertura das escolas Monteiro Lobato, Nossa Senhora da Luz e Albert Schweitzer, da Unidade de Saúde Nossa Senhora da Luz, do Farol do Saber e do Cras (Centro de Referência da Assistência Social) e da chegada do asfalto – a maioria, transformações coordenadas pela Prefeitura.

Mais recentemente, participou da inauguração do Centro Cultural da CIC, também conhecido como Teatro da Vila, onde já assistiu a shows de música popular e uma neta faz aulas de dança. “A Prefeitura pode mandar mais atrações para os idosos nesse teatro, viu? A gente vai gostar e agradecer”, sugere.

Alegria e vida comunitária

Animada, espera o Carnaval 2023 para, novamente, desfilar no bloco carnavalesco da terceira idade Rancho das Flores. “São mais de 30 anos de avenida e a gente sente falta, ora. A pandemia não foi brincadeira”, diz Leonir, que venceu o coronavírus e coleciona o título de Rainha do bloco de 1999, além de uma série de outros concursos carnavalescos.

A alegria e o jeito leve de encarar a vida dividem espaço com as demandas comunitárias. Membro da Pastoral da Aids e do Conselho Local de Saúde da Unidade de Saúde Nossa Senhora da Luz, ela ajuda os moradores da vizinhança a lidarem com demandas de saúde.

“As pessoas precisam de informação e a saúde é um aspecto muito delicado, em que o apoio pode fazer toda a diferença”, argumenta a líder comunitária que, na juventude, trabalhou como atendente de enfermagem na Maternidade Vítor do Amaral.